sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Post pessoal e a perseguição

Post de POLÍTICA, publicado excepcionalmente nesta sexta-feira.

Sem-fronteira, espero que você tenha tido uma boa quarta-feira. Porque a minha, sinceramente, foi tenebrosa. E também, antes de adentrarmos este post, queria dizer que se trata de algo que aconteceu comigo, porém, foi uma situação tão à lá post do Lucas Catta Prêta de política, que não tive outra alternativa. Explico para vocês.

Desde a última segunda-feira, 15, estou com uma nova agenda de horários. Minha antiga rotina foi um pouco alterada, na verdade bagunçada, e durante esta semana saí de casa para ir à faculdade. Ok, até aí tudo bem, desconsiderando meu desânimo de enfrentar o maravilhoso transporte coletivo de Belo Horizonte.

Bom, eis que no fatídico dia 17 pego o ônibus às 18h20 rumo à faculdade, já com um fator agravante: o ônibus atrasou-se em 15 minutos e fui sentar no banco com um caminho de fogo atrás de mim, tamanha era a raiva. Fomos indo, andando, parando e nisso o ônibus ia enchendo e enchendo... Andamos, andamos... e o ônibus enchendo cada vez mais. Estava mais insuportável que o normal. Claro, sabia que estava em uma hora complicada, mas não imaginava que haveria tanta gente para embarcar no bendito ônibus.

Assim, o ônibus já tinha gente se acotovelando para passar no corredor. A mal-humorada da trocadora gritou, nem dando para vê-la: "Vamos arredar para trás senão ninguém chega hoje". E a raiva foi aumentando. Juntaram vários fatores para que eu quisesse sair correndo daquele ônibus: o grande número de pessoas, a senhora que estava do meu lado que não parava de engajar um assunto comigo apesar da minha explícita indiferença, a forte chuva, pessoas que entravam no ônibus molhadas e o não menos abençoado trânsito da capital mineira.

Meus caros, não estou exagerando: imagine um ônibus cheio. Muito cheio. Mais cheio. Um pouco mais. Coloca mais gente que cabe, poxa! Não, mais uma dúzia! Ok, uma dona com o sacolão da semana cabe! Aí, só mais um pouquinho... pronto! Agora espera mais um pouco...

Pois bem, quando meu ônibus finalmente chega na avenida Afonso Pena, adivinhe? Você que mora em Belo Horizonte já sabe: mais gente. Mais uma dez, juro! E foi uma correria danada, afinal de contas, estava chovendo como já havia dito. Percebendo o quão cheio estava o ônibus, uns quatro homens entraram pela porta do meio! Assim, na cara de pau! Ia entrar mais, porém a coitada da trocadora saiu gritando que vinha um ônibus da mesma linha logo atrás, que não precisaria "sair envadindo", como ela disse.

Os homens porém, alheios aos comentários, continuaram espremidos junto à porta. Nem sei se a trocadora viu eles. Creio que não. Bom, resolvi sair do meu lugar, com muita dificuldade, pois desceria no ponto seguinte e se deixasse para sair quando a porta abrisse, perderia meu ponto. Depois de me encaixar entre algumas pessoas, com uma mochila gigante na mão, escuto a conversa de dois dos homens que invadiram o ônibus: "Eu lá ia esperar outro ônibus, maluco? 40 minutos esperando esse aqui já, pô! Lotadão já, invadi geral!". O babaca do lado ria e confirmava tudo. O homem continuou: "Brasileiro, né não? Não desiste nunca! A gente tem é que dar nosso jeitinho de levar a vida, nem que seja no trambique né, não?"

Pronto. Virei meu rosto na hora e comecei a procurar a origem do som para ver a cara dos dois brasileiros. E eles riam, deliberadamente, se gabando de terem economizado R$2,10. Modéstia vai, modéstia vem e qual o assunto que eles começam a debater? Política. O babaca que ria disse após ligar seu radinho: "A droga da Voz do Brasil." O amigo dele disse: "Droga isso! E pois é cara, nem sei em quem voto ainda. É complicado essa droga de país. A gente vota, vota e nada muda. Continua essa cambada de ladrão safando roubando a gente. Tá osso".

Tá 'osso' mesmo! Olha, desci do ônibus pensando na conversa daqueles dois babacas: como o que sempre digo aqui no SF, é verdade e comprovável: esse jeitinho não deixa o país avançar. Com gente assim, fica difícil mudar mesmo. O babaca conseguiu "roubar" R$2,10 do sistema de trânsito. O político, vai roubar R$ 21 milhões. É a proporção das coisas e a quantidade de acesso ao dinheiro.

E é isso aí: vamos levando a vida.

4 comentários:

Wander Veroni disse...

Oi, Lucas!

O que mais me desanima em BH é o transporte público em alguns horários. É uma dificuldade enorme de chegar em casa confortável ou por meio de uma via que não esteja com um mega engarrafamento. Não moro perto do centro, mais pro lado da região norte e, nesses horários de pico, chego a levar duas horas pra ir do centro à minha casa, sendo que, se não houvesse probelmas, levaria meia hora, no máximo.

Quanto a esse negócio de não pagar passagem vejo até como forma de protesto. Temos uma passagem muito cara, realmente. Os nossos governantes esquecem que quem usa ônibus e metrô são populares: R$ 2,10 para ir e voltar, todos os dias, pesa o orçamento.


Depois passa lá no Café com Notícias. Tem post novo lá.

Abraço,

=]
__________________________
http://cafecomnoticias.blogspot.com

guilherne disse...

Acho q você está certo sim em sempre bater nessa tecla. Hj também vejo que o 'jeitinho' acaba com esse país.

Wander Veroni disse...

O novo layout ficou mto legal, rapazes!

Daniel disse...

Pessoal,

TO começando de verdade, apenas agora com o meu blog.

TO passando para dizer que curti o blog de vocês e os coloquei na coluna dos indicados, que ainda tem pouquissimos...

Abraços e boa sorte ae!!!

Melhor visualização com o navegador Mozilla Firefox