sábado, 7 de junho de 2008

Uma luta de todos


Uma data pode esconder razões que, aos olhares mais despercebidos, podem parecer banalidades. No entanto, a escolha do dia 7 de junho para a estréia do Sem Fronteiras não se deu de maneira pragmática e aleatória. A data não é especial somente para a esta equipe, mas também, é importante para o jornalismo e sua perfeita prática. Hoje, é comemorado o dia da liberdade de imprensa, necessária e almejada - na mesma proporção. Principalmente no Brasil - país onde quase tudo vale, inclusive usar de meios ilícitos para omitir a verdade da população.

Essa liberdade, tão almejada e que em muitos momentos parece inatingível, sofreu na semana passada um novo golpe, quando as chamadas "Milícias" seqüestraram e torturaram uma equipe de jornalistas do jornal carioca "O Dia". Motivo: a subida do grupo ao morro sem a prévia autorização dos traficantes. Os jornalistas foram torturados de forma vil por estarem no ofício de sua profissão. Esse foi mais um entre outros diversos casos, que acontecem no Brasil, nação que se vestiu com ares democráticos, insuficientes para eliminar a violência contra esta classe, que ocorre principalmente nos grotões do país, onde ainda há resquícios do coronelismo, política em que a vontade de um único indivíduo sobrepõe à da coletividade.

A liberdade de imprensa no Brasil parece algo surreal, utópico. Ao longo de nossa história, a população e a imprensa passaram por momentos em que o interesse político e dos poderosos detentores de representatividade política, mediante o poder econômico, se sobrepôs ao interesse do coletivo, ferindo claramente o direito à liberdade de escolha e opinião. Exemplos na história brasileira, infelizmente, não faltam. O Período Ditatorial ainda guarda seus segredos em arquivos, que ainda restritos, só serão divulgados, caso a nossa imprensa "livre" tenha a permissão do Governo brasileiro, o que fere claramente o direito, não só daqueles que tiveram parentes desaparecidos ou mortos, mas como de toda uma sociedade que anseia por descobrir o que, de fato, aconteceu nos "porões da ditadura".

É evidente que a situação da liberdade melhorou no país, mas ainda há um longo caminho há ser percorrido para que se atinja um estágio de total liberdade. Esse estágio, ao contrário do que imaginamos, não será atingido apenas mudando as altas esferas do poder. Esse é um dever de todos nós, sociedade civil que precisa se engajar nesse objetivo que, por mais "utópico" que possa ser, merece esforços para que possamos viver em uma sociedade que desfrute de uma imprensa livre, que ouça e seja ouvida por todos.

2 comentários:

Kátia Brito disse...

Maravilha!!! Parábens!! texto impecável. Estou muito orgulhosa e feliz por vocês. O sucesso é garantido, porque com quatro TALENTOS não tem outra opção a não ser o sucesso.

Letícia Castro disse...

Lucas, parabéns pela iniciativa do blog, que ele seja muito bem-vindo e, principalmente, por inaugurá-lo nessa data.
Realmente, foi um absurdo o que aconteceu com os jornalistas e deixou a gente com uma dúvida perniciosa que não pode entrar em nossas almas: o Brasil é um país seguro para a prática jornalística livre?
Esperemos pelo melhor e continuemos trabalhando por isso!
Muito obrigada pelo comment no Babel.com e vamos continuar em contato, ok?
Beijo!
Letícia.

http://babelpontocom.blogspot.com

Melhor visualização com o navegador Mozilla Firefox