quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Não fomos os únicos

Poeira em volta de escombros estrelares revelam que podem ter existido planetas semelhantes ao nosso

Bom, não é bem assim, mas a procura por planetas que apresentem as mesmas condições de vida que a terra ainda continua. O que aconteceu foi que supostos restos de planetas parecidos com o nosso demonstram que eles podem ter sido comuns em sistemas planetários pela galáxia afora. Em torno de estrelas que hoje são extremamente maiores que o Sol, os possíveis primos distantes da Terra, podem ter realmente marcado presença no universo enquanto sua estrela principal ainda estava em fase de crescimento.

A Poeira pode ter sido resultado de colisões entre asteróides com planetas e apresentam materiais similares aos encontrados na Terra, na Lua e também em Marte. A conclusão aconteceu após o telescópio da Nasa, Splitzer, lançado em agosto de 2003, observar a poeira que envolve seis estrelas do tipo anãs brancas*.

Os resultados foram apresentados segunda-feira no American Astronomical Society Meeting em Long Beach, Califórna. De acordo com os astrônomos, foram constatados em sua composição materiais pesados como o mineral Olivine, muito comum no nosso planeta, em Marte e também na Lua. A poeira ainda apresentava carbono, um dos principais responsáveis pelo surgimento da vida na Terra. O que sugere que planetas rochosos como a Terra, eram muito comuns nos diversos sistemas de nossa galáxia.

Os asteróides se constituem da mesma forma que os planetas, adquirindo volume e magnitude quando se chocam com objetos menores. Ao entrar na órbita das estrelas, são decompostos formando nuvens de poeira que já deveriam ter sido digeridas, sendo atraída para o interior dessas estrelas devido à gravidade que chega a ser 10.000 vezes maior que o Sol. Por isso é impressionante que elas ainda existam.

*Quando as estrelas passam da fase Gigante Vermelha, termina seu processo de queima do carbono e hélio no seu interior. Então ela expele as partes exteriores, permanecendo somente o núcleo, que ainda assim, emite luminosidade 10 vezes mais que o nosso sol e tudo embutido em um volume quase do tamanho da terra.


- Este artigo foi útil, tem qualidade ou merece algum acréscimo. Deixe seu comentário abaixo ou assine nosso feed.

8 comentários:

Guilherme disse...

Cassio,

Quando criança, queria ser um astrônomo. Vendo este seu texto, praticamente impecável e de bastante claro, vejo que tomei a decisão certa: Relações Internacionais.

Essa possibilidade de vida em outros planetas semelhantes à Terra pode até parecer loucura, mas nós, apaixonados pela astronomia e os mais entendidos, como parece ser o seu caso, sabem que é em provável que isso tenha ocorrido e que será difícil de descobrir tal fato nesta primeira metade de século que se iniciou.

Bem-vindo Cassio e parabéns pelo começo. A equipe terá muito há ganhar com você nesse time.

Abraço.

Balinha disse...

Adoro notícias assim, eu não acredito que estejamos sós ou que Deus fez tantos planetas pra ficarmos olhando, isso não tem lógica e não é inteligente.

Mas saber dessa poeira e detritos, fascinante.

Essa é a foto da matéria mesmo? É nesse lugar que encontraram?

Bala Salgada
www.bsalgada.blogspot.com

André disse...

ja fui engatado em astronomia - eu eu o Carl Segan...mas ai caiu a ficha...o bagulho vai muito alem...e eu somento sou um homem.

Guilherme Freitas disse...

Eu acredito que existe ou tenha existido vida fora da Terra. Somos minúsculos comparados com a imensidão do universo. Acredito que há zilhões de milhas daqui existam planetas idênticos ao nosso ou com algum tipo de vida. Podem estar avançados ou atrasados em relação a gente, quem sabe.

Wander Veroni disse...

Bom, eu acredito em vida extraterrestre. Não vida humana, mas uma vida com as características de cada planeta em si. Bom, procurar planetas semelhantes a Terra me faz lembrar o descobrimento da América. Será que teremos uma nova colonização? Quem sabe, né.

Abraço

André disse...

obviamente nao somos os unicos...o que questiono é se alguma vez ja foi feito contato...ou o universo é tão grande que vidas nunca se encontram..

Luiz Antonio André disse...

O Universo é imenso e misterioso. O homem ainda tem muito que aprender. Não sou especialista no assunto, mas acho muito egoísmo de nossa parte achar que somos unicos nesta imensidão.
Abraços

Cassio Teles disse...

Galera, primeiro obrigado por terem gostado dessa pequena matéria. Pode até ser que tenha existido ou que exista vida tal como a conhecemos em outras galáxias ou até mesmo na nossa Via Láctea. Desde que tal planeta tenha os mesmo privilégios que o nosso, de estar numa distância favorável de uma estrela relativamente pequena como o Sol. Isso pode ser possível, mas o que me chama a atenção nessas notícias que se tem sobre astronomia, é que somo tão pequenos perante este universo. Fomos privilegiados por poder conhecer, pelo menos até onde o conhecimento produzido pelos nossos cientistas permitiram nesse fragmento de milésimo de segundo que dura a nossa vida, o que existe no mundo e no espaço em que somos parte. O pior é saber a Humanidade continua a mesma.
Abraços

Melhor visualização com o navegador Mozilla Firefox